Índia

O ENCANTO DA ÍNDIA E O FUTURISMO DE ABU DHABI

Vimos que os indianos são orgulhosos de sua milenar história, que a vida revolve em torno dos valores da família e de uma espiritualidade multicolorida.

Nesta edição, a Coleção MOB Primavera-Verão 2014/2015 viajou para dois lugares totalmente opostos, mas igualmente fascinantes e superlativos, cada qual à sua maneira: a Índia, que representa ao máximo o esplendor do passado e Abu Dhabi, que retrata a exuberância e o vigor do futuro no presente.

Na Índia, guiados por Mukesh Chandra, o amigo de Marcelo Dib, nosso diretor, vimos que os indianos são orgulhosos de sua milenar história, que a vida revolve em torno dos valores da família e de uma espiritualidade multicolorida. Em Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos (EAU), testemunhamos o milagre econômico em plena construção do futuro, nessa terra da prosperidade, onde todas as extravagâncias são bem-vindas.

Agradecemos às nossas clientes, a todos da nossa equipe, e ao grupo liderado pelo Marcelo e nossa gerente de marketing, Vanessa Queluz, por realizarmos mais este sonho, e aos profissionais que participaram conosco em mais essa grande aventura fashion: Jacques Dequeker, Felipe Veloso, Lavoisier, André Nicolau e as musas da coleção, Giovanna Ewbank e Marcelia Freesz.

Um grande abraço!
Equipe MOB.

A Índia celebra a beleza de suas mulheres no Kama Sutra, mas os ensinamentos de seus ícones mais iluminados se baseiam no amor espiritual.

Gigantesco caleidoscópio cultural

Qual a barreira que o amor não supera?

A Índia é superlativa, continental, movida a maravilhas milenares e colossais contrastes

Existe a Índia profunda, espiritual e ancestral, a Índia milionária e contemporânea, e há uma Índia em harmonia com essas duas energias poderosas. Exemplo disso é o filme “Um Casamento à Indiana” (Monsoon Wedding, 2001), um dos melhores sobre seus costumes.

Em 1498, seis anos após Colombo descobrir as Américas, tendo em mente a conquista das Índias, o navegador Vasco de Gama aportou por lá, tornando os portugueses os primeiros europeus a entrarem em contato com essa terra de mil matizes, onde constituíram a Índia Portuguesa no estado de Goa, de 1505 a 1752. Mas os laços entre os dois países foram até 1974, por isso há indiano com nome português, como a linda Freida Pinto, atriz principal do oscarizado “Quem Quer Ser um Milionário?”(Slumdog millionaire, 2008).

A Índia celebra a beleza morena de suas mulheres no Kama Sutra, nas extravagâncias tecnicolor de Bollywood, mas os ensinamentos de seus ícones mais iluminados se baseiam no amor espiritual. Um dos mais belos monumentos do planeta é o romântico Taj Mahal, erguido em 1654 pelo imperador mogul Shah Jahan em memória da amada. Madre Teresa de Calcutá não era indiana mas dedicou sua vida aos menos favorecidos do país: “O amor é a maior força do mundo e a mais humilde”. E do líder pacifista, Mahatma Gandhi: “Qual a barreira que o amor não supera?”

Na Índia é um monumento ao amor que simboliza o milenar país: o Taj Mahal.

TAJ RAMBAGH PALACE

O Taj Rambagh Palace, em Jaipur, é uma viagem no tempo.

 

Desde tempos imemoriais a Índia traz à mente imagens de exuberância. Seus palácios, decorados com espantosa riqueza de detalhes, testemunham histórias de marajás e maharanis. Um desses lugares de sonho é o Taj Rambagh Palace, erigido em 1835, como o palacete da ama-seca do herdeiro do marajá de Jaipur. Em 1931, o palácio ganhou uma nova ala quando o Marajá Saway Man Singh-II, conhecido como Jai, um grande jogador de polo, casou-se por amor com sua terceira esposa, a Maharani Gayatri Devi, falecida em 2009, apontada pela revista Vogue como uma das mulheres mais belas de seu tempo.

TAJ MAHAL

Taj Mahal e Forte de Agra, uma história de amor

 

Na Índia é um monumento ao amor que simboliza o milenar país: o Taj Mahal. Concebido de 1632 a 1653, em Agra, no estado de Uttar Pradesh, o Taj é o mausoléu que o marajá Shah Jahan (1592-1666), quinto imperador mugal da Índia, ergueu em honra da amada Mumtaz Mahal (1593-1631). Sua obsessão com o projeto foi tanta que, ao termina-la, seu filho, Aurangzeb, para usurpar seu império condenou-o à prisão eterna por loucura na torre de Musamman Burj, no Forte de Agra, de onde Shah Jahan podia avistar seu Taj Mahal. Foi neste forte, também conhecido como Red Fort devido à pedra vermelha de suas muralhas, que o marajá deposto foi confinado por oito anos até morrer.

Durante todo esse tempo, ele acalentou o sonho de ser enterrado em um outro Taj Mahal, idêntico ao da amada, porém revestido de mármore negro, que deveria ser erguido do outro lado da margem do rio Yamuna, mas o filho desalmado impediu que o desejo final do pai fosse realizado. No final, Aurangzeb permitiu que o pai fosse enterrado ao lado da amada no Taj Mahal, unindo-os para sempre. Em meio a um complexo com templo, jardim, espelho d’água e entrada monumental, o Taj Mahal é uma joia que simboliza o mais alto grau de beleza na arquitetura mundial.

O gigantesco Amber Fort foi erigido na antiga citadela de Amer, como também o forte é chamado.

Forte Amber

O gigantesco Amber Fort foi erigido na antiga citadela de Amer.

 

Construído sobre as montanhas por Raja Man Singh I, em 1592, o gigantesco Amber Fort foi erigido na antiga citadela de Amer, como também o forte é chamado. Muito visitado, hoje, este monumento do Rajastão se debruça sobre a vista da cidade de Jaipur e para o lago Maota. Perfeito exemplo de fusão da arquitetura rajput com a hindu, sua fachada de exterior discreto com pedras vermelhas e mármore contrasta com o detalhado romantismo dos prédios de seu vasto interior com pinturas, paredes em alabastro, entalhes pontilhados de pedras semipreciosas e tetos com fragmentos de espelho. Até 2005, 87 elefantes viviam na propriedade, hoje, não mais, mas ainda é possível fazer a subida de elefante!

Galtaji Jaipur

Monkey temple (Galwar Bagh) ou templo dos Macacos

 

Construído em meio a rochedos com pedras rosa no século 18, o templo de Galtaji é também conhecido como Monkey temple (Galwar Bagh) ou templo dos Macacos, devido à população de macaco-rhesus, primata nativo do sudeste asiático de cerca 50 cm de altura, cara rosa e pelo cinza claro. Com vista panorâmica, o complexo é composto por vários pavilhões com abóbodas, pilares esculpidos e paredes com pinturas. O local é famoso por possuir sete fontes (kunds) de onde jorram água sagrada, como o Galta Kund, onde é considerado auspicioso purificar-se.